Publicado em: 15/05/2019


Mindful leadership.

Já ouviu falar a respeito?

Em uma tradução simples pode-se entender como liderança consciente.

Tá, mas e o que vem a ser isso?

Trata-se de uma ferramenta – estruturada e consciente – que proporciona a calma e a clareza mental para tomadas de decisões racionais e eficazes.

Mesmo sob pressão.

Tal recurso tem despertado a curiosidade dos profissionais e chamado – muitíssimo – a atenção do mercado de trabalho como um todo.

Por quê?

Porque propõe uma visão mais profunda quando o assunto é o desenvolvimento de lideranças.

E não para por aí! Ainda incentiva o cultivo de estados internos mais qualificados.

Quais seriam eles?

Vamos lá...

O mindful leadership – como dissemos – é uma faculdade mental. Ela é poderosa para o fortalecimento de experiência de mundo e para a capacitação voltada à conservação de foco nos indivíduos.

Muito eficiente para melhor conexão com o espaço interno / externo, aguça qualidades como lucidez, prontidão e vitalidade, deixando de lado o automatismo e abrindo portas para novas possibilidades de soluções de problemas.

O maior ganho de seu uso é que profissionais se tornam muito mais conscientes de suas ações.

E o mais incrível dessa história de aprender a cultivar a própria mente é que – bem sabemos – vivemos, naturalmente, oscilando entre a lentidão e a agitação, entre a distração e o foco. E em nosso dia a dia – também é óbvio – somos envolvidos por aflições emocionais (como ansiedade, depressão, orgulho e raiva) que geram impacto muito negativo sobre o desempenho profissional.

É aí que entra o mindful leadership! Por meio da ferramenta é possível que gestores desenvolvam suas próprias virtudes e, assim, possam estimular suas equipes.

Olha que bacana!


[Fonte: Exame.com]