Publicado em: 14/05/2019


Brasil, maio de 2019.

Sabe aquela sua promessa, feita no finalzinho de 2018, que dizia respeito a, enfim, começar a guardar dinheiro este ano?

Pois é, nem precisa falar nada. A gente também sabe que ‘deu ruim’.

Você pode até ter reclamado aí dizendo que a Economia do país está esquisita, que tudo está aumentando, que seu salário não está acompanhando eeee....que, em função disso tudo, o “vermelho na sua conta” tornou-se uma realidade recorrente.

Peraê...vamos conversar, né?

Como assim?

Mesmo diante de todas as adversidades, você pode – sim! – sair do vermelho, entrar no azul e – por que não? – até investir!

Você gargalhou aí? Imaginamos que sim, mas vem ver como, realmente, é super possível. Nós reunimos alguns conselhos de economistas para você ler, aprender e colocar em prática.

 A primeira bomba que vamos soltar é que todo mundo – até você! – pode enriquecer.

– Oi? 

Isso mesmo que você leu.

Vamos pensar juntos. Afinal, o que é enriquecer?

Não é ganhar na loteria nem receber uma herança. É acumular dinheiro, devagar, mês a mês.

Ao adicionar algo a mais a um total que você já acumulou, você está formando o quê? Um patrimônio, o seu patrimônio. Não é mágica, tampouco fortuna surgida de repente, do dia para a noite.

Tá, mas o dinheiro não sobra para poder guardar. E aí?

E aí que você precisa, primeiro, organizar seu orçamento doméstico. Leia-se evitar comprar por impulso e ter uma planilha onde possa prever, com antecedência, por exemplo,gastos com datas importantes, como aniversários da família e demais registros no calendário.

Dado este passo, o próximo é acabar com os parcelamentos. Pense assim, olha...Se você sai parcelando tudo, roupas, supermercado, combustível, etc...está usando um dinheiro que nem recebeu ainda. E todo mês, depois que seu salário cair, estará – digamos – herdando gastos anteriores.

Tem como sair do vermelho assim? Nem bem o salário entrou já vai acabar e as coisas que você gostaria de fazer hoje, este mês, amanhã...bom...deixa para o mês que vem, né? E assim vai. É fato: parcelas restringem o orçamento e limitam a capacidade de organização financeira.

Mais uma coisa: pediu empréstimos no passado? Fez financiamentos? A ordem agora é negociar. Troque sua dívida por outra, que cobre taxas menores. Faça acordos ou adiante parcelas. Todos esses recursos são super úteis para eliminar as dívidas, por maiores que elas sejam.

Agora vamos à “etapa guardar dinheiro”. E nem adianta começar a reclamar aí dizendo que não sobra, blá,blá,blá...

A verdade é que todo mundo deveria ter – guardado – um valor X, para emergências.

Economistas orientam que o ideal é que o tal valor reservado fosse igual a seis vezes a renda mensal.

Impossível na sua atualidade ter, guardado, seis vezes o valor da sua renda?

Calma, vamos devagar, passo a passo, que você chega lá...

É importante ter esse respaldo para recorrer, viu? Dessa forma, problemas de saúde, acidentes de carro, viagens imprevistas ou reparos no imóvel, por exemplo, não promoverão uma confusão na vida financeira da família.

Ah...e não importa que o que você possa – efetivamente – guardar seja pouquinho. De pouquinho em pouquinho...Já sabe, né?

Seguidos estes passos...olha que incrível! Você saiu do vermelho e, se quiser, pode até se dar ao luxo de investir e garantir o futuro!

Lição de casa. Pode começar já!

Boa sorte aí.


[Fonte: Exame.com]