Publicado em: 17/04/2019


Você sabia que a hora em que se alimenta interfere – diretamente – na sua cintura?

Ok, você pode até não acreditar, mas é a pura verdade...

Depois de muito estudar a respeito, cientistas chegaram à conclusão de que a ruptura do círculo circadiano, ou seja, a cultura de passar a comer tarde, beber e reduzir a atividade física – observada em estudantes americanos que ingressaram na universidade – está diretamente ligada ao ganho de peso.

Então você jááá pensou aí...“ah, mas isso acontece com estudantes americanos!”.

Nã, nã, ni, nã, não!

Pode acontecer com você também, viu?

A ideia de que nossa resposta biológica aos alimentos varia ao longo do dia é beeeem antiga. Os chineses já acreditavam que a energia fluía em torno do corpo em sintonia com o movimento solar e que o certo era que as refeições fossem realizadas da seguinte forma: 7h-9h da manhã, hora do estômago, momento em que a maior refeição do dia deveria ser feita; 9h-11h da manhã centrada no pâncreas e no baço; 11h-13h, a hora do coração.

E para o jantar? Eles acreditavam que deveria ser algo leve, consumido entre 17h e 19h, momento em que a função renal estava predominante.

Reforçando o crédito de “sabedoria milenar”, eles, os chineses, estavam (e continuam) bem certos.

E cabe ressaltarmos que – voltando ao assunto central, apesar dos inúmeros estudos realizados ao longo dos tempos – jamais foi amplamente divulgado que não só o que se come, mas, também, o horário das refeições, tem, também, impacto direto na saúde.

Quer um exemplo?

Quando mulheres – com sobrepeso e obesas – foram submetidas (por três meses) a uma dieta para emagrecer, as que consumiram a maior parte das calorias no café da manhã perderam duas vezes e meia mais peso do que as que tomaram um café da manhã leve e comeram a maior parte das calorias no jantar. Mesmo consumindo o mesmo número total de calorias.

Logo, fica ainda mais claro que nosso ritmo circadiano está diretamente ligado à digestão e ao metabolismo. De muitas formas, como – por exemplo – através de complexos sistemas de sinalização do corpo.

E você?

Tem se atentado para o quê come e a que hora do dia?


[Fonte: G1 // Ciência e Saúde]