Publicado em: 26/06/2019


Demência é um assunto que, em geral, as pessoas não querem pensar a respeito. Especialmente se estiverem no auge de sua produtividade na vida e longe do chamado “período de risco”.

Pois é, mas – atualmente – 9,9 milhões de pessoas são diagnosticadas, todos os anos, com o referido problema neurológico.

Especialistas contam que este número vem crescendo e que, por conta disso, hoje, são 50 milhões os que sofrem de demência ao redor do planeta.

E os prognósticos não são nada animadores. Estima-se que, até 2030, serão 130 milhões de seres humanos vivendo em condição de demência.

É assustador, não?

Pois é, mas o que os mesmos experts dizem é que não é preciso esperar que este número se concretize e que façamos – em algum momento – parte dele. A recomendação médica é que ninguém espere até os 65 anos para tomar uma atitude em relação à saúde mental.

Apesar de não termos como fugir de três fatores de risco para a demência (idade, sexo e genética) podemos, sim, desde já, trabalhar para evitar o declínio em habilidades cognitivas (como memória, atenção, linguagem e resolução de problemas severos o suficiente para afetar nosso dia a dia).

Vamos deixar aqui dicas do que você já pode começar a fazer desde já para contribuir com a sua própria saúde mental.

A primeira é praticar exercícios.

Mexer o corpo não faz bem apenas para a boa saúde física. Participar de atividades físicas moderadas ou intensas também pode ajudar – e muito – a reduzir o risco de demência. Atividades aeróbicas, por exemplo, ajudam não só na manutenção de peso saudável e pressão sanguínea baixa, como também contribui para o crescimento de novos neurônios, principalmente no hipocampo (a área do cérebro que é responsável por formar novas memórias).

Quer mais uma dica importante para garantir – desde já – a sua boa saúde mental no futuro?

Preste atenção à alimentação.

Já ouviu – certamente – por aí o ditado que diz que somos o que comemos, certo?

Pois é, comer grãos não refinados, frutas, legumes, vegetais, azeite de oliva, peixe e pouca carne (ou seja, adotar a dieta chamada “Mediterrânea”) ajuda – muito – a saúde mental, reduz as taxas de demência. E não somos nós que estamos dizendo. Já foi comprovado pela Ciência.

Ah, mais um dado importante identificado pelos estudiosos do tema: pessoas que participam de atividades estimulantes na meia idade – como leitura e jogos – podem reduzir (em cerca de 26%) o risco de apresentar demência quando estiverem mais velhas.

Isto posto, o conselho é...divirta-se!

E trate de cuidar da sua saúde mental desde já, tenha a idade que tiver.


[Fonte: Revista Galileu]