Publicado em: 03/07/2019


Já estamos mais do que acostumados a fazer quase tudo pelo celular, não é mesmo?

O avanço tecnológico nos permitiu economizar muito tempo com as demandas cotidianas, maasss, também nos colocou na mira dos que podem se utilizar dos inúmeros dados transmitidos “de lá pra cá e de cá pra lá” para cometer fraudes.

Pois é, mas a IA – Inteligência Artificial – vai atuar, cada vez mais, justamente para garantir a segurança das operações.

Um estudo global da Associação dos Investigadores de Fraude Certificados (ACFE) – em parceria com a SAS, empresa especializada em analytics – revelou que, até 2021, deverá triplicar o uso de inteligência artificial e de machine learning para combater fraudes.

O estudo “The Anti-Fraud Technology Benchmarking Report” analisou dados de mil membros da ACFE e consultou empresas de 24 setores. Do total, 21% eram relacionadas a serviços bancários e financeiros e 17% de governo e administração pública. 

A maioria das empresas consultadas (49%) está nos Estados Unidos. Outros 13% são da Europa Ocidental e 12% da África Subsaariana.

Interessante, não? 

A pesquisa ainda revelou que mais empresas deverão fazer uso da biometria nas estratégias antifraude. Uma a cada quatro empresas (ou seja, 16% delas) já utiliza o recurso. 

Outros 16% informaram que pretendem implementá-lo em breve.

Entender soluções e estratégias – segundo James Ruotolo, diretor sênior de Produtos e Marketing para Fraudes e Inteligência de Segurança da SAS – é de suprema importância, hoje, para direcionamento de investimentos em tecnologia antifraude.


[Fonte: www.tecmundo.com.br]