Publicado em: 07/05/2019


Cerveja artesanal.

E aí? Gosta? Não gosta? 

Sabe falar a respeito?

Seja qual for o seu grau de entendimento sobre o tema, a gente veio te passar umas informações e contar umas curiosidades. Chega mais...

Uma pesquisa da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), em Piracicaba (SP), revelou que as madeiras de cabreúva e amburana são super apropriadas para imprimir – em termos de aroma, sabor e coloração da cerveja artesanal – características exclusivas e típicas do Brasil.

Olha que bacana! Em um mundo do tamanho que é, as duas árvores em questão só são encontradas em nosso território! E ambas têm sido utilizadas no processo de envelhecimento da bebida.

O estudo – de autoria do engenheiro agrônomo e pesquisador do Laboratório de Tecnologia e Qualidade de Bebidas (LTQB) da Esalq Giovanni Casagrande Silvello – também resultou em uma ferramenta que ajuda na padronização da produção (e na diminuição dos riscos de erros no resultado final), o que deixa a cerveja com qualidade muito melhor.

O principal intuito da análise – contou o pesquisador – foi a criação de um conceito de “escola cervejeira”. A busca é pelo perfil brasileiro de produção e é por isso que o processo só considera o uso de madeiras nacionais.

A ideia central é diferenciar o produto de outras bebidas fermentadas, logo, para amplificar sua descoberta e colocar o país no mapa de excelência de produção, Silvello contou que pretende treinar fabricantes para aplicação de seu processo na fabricação de cerveja artesanal.

Um brinde! 

Saúde!

 

[Fonte: G1 // Piracicaba e Região]